Loading...

sábado, 18 de dezembro de 2010

http://www.youtube.com/watch?v=AjuoFKFWV5E&feature=player_embedded

pensamentos,

So queria nao ver sua partida !

Me desculpe por não ter dado aquele sorriso que você tanto esperava quando me disse coisas sem sentido.
Desculpe pelo tchau que ficou preso em meu coração por medo de nunca mais te ver.
Perdoe-me pela palavra que não falei quando desta precisou escutar.
Desculpe se quando mais precisei de ajuda não supliquei teu nome, mas tinha medo que não escutasse meu grito.
Junto com a queda daquela rosa estava meu medo de querer falar palavras verdadeiras ao teu coração.
Junto com a minha correria denominando perigo estava algo grande de mais para ser dito.. e, talvez, nem ser ouvido, ou entendido por você !
Meus olhos cegos so nao queriam ver sua partida !

estrada

Uma estrada de mao única...
 
Tudo parecia andar qndo vc parou...
Tudo parecia querer ter futuro qndo vc lembrou-me do passado...
Qndo as respostas estavam satisfazendo eu errei e te respondi o que nao querias ouvir...
Lagrimas vieram aos seus olhos e vc nao acreditou mais em mim...
Queria saber o que fazer agora ...
A nossa estrada esta parecendo ter dois caminhos agora, mas irei fazer de tudo para torna-la em uma unica.
Me ajuda...
Ando perdida...
Quero me achar, mas nao sei onde vc esta ...



Bom primeiramente queria pedir desculpas pela demora para postar aki no blog, mais como ja disse no ultimo post nao ando la com mta inspiraçao. Descobri que so consegue fazer poemas nao depressivos aquele que realmente nasceu pra isso e como eu nao nasci e estou muito feliz nem tenho tido muito o que dizer aqui pra vcs.
Sobre o poema, nao é bem o meu estado, nem sei se tem um pouco de mim nele, so escrevi coisas que estava pensando a um tempinhu atras, acho ate que ja esqueci ... Quero tambem falar que o proximo sera sobre felicidade eu so tenho q achar meu caderno .. hehehe ...
Bjo a todos vcs...

musica, perfeita ... me fez ver coisas que nem imaginava

O que você quer de mim?
 
 
Ei, vai devagar
O que você quer de mim?
O que você quer de mim?
Sim, estou com medo
O que você quer de mim?
O que você quer de mim?

Pode ter havido um tempo
Em que eu me entregaria
É, uma época
Eu não me importava
Mas agora, aqui estamos nós
Então, o que você quer de mim?
O que você quer de mim?

Apenas não desista,
Estou me esforçando
Por favor, não desista,
Não vou te decepcionar
Fiquei confuso, preciso de um segundo para respirar
Só continue se aproximando
O que você quer de mim?
O que você quer de mim?



http://www.vagalume.com.br/adam-lambert/whataya-want-from-me-traducao.html#ixzz18XBY4OxU


Pronto, é fácil de ver
Que, baby, você é linda
E não há nada de errado com você
Sou eu, sou estranho
Mas, obrigado por me amar
Porque você está fazendo isso perfeitamente

E pode ter havido um tempo
Quando eu teria deixado-a escapar
Eu não iria nem mesmo tentar, mas acho
Que você poderia salvar a minha vida

Apenas não desista,
Estou me esforçando
Por favor, não desista,
Não vou te decepcionar
Fiquei confuso, preciso de um segundo para respirar
Só continue se aproximando
O que você quer de mim?
O que você quer de mim?

Apenas não desista de mim
Eu não vou te decepcionar
Não, eu não vou deixar você triste

Então
Apenas não desista,
Estou me esforçando
Por favor, não desista,
Não vou te decepcionar
Fiquei confuso, preciso de um segundo para respirar
Só continue se aproximando
O que você quer de mim?

Apenas não desista,
Estou me esforçando
Por favor, não desista,
Não vou te decepcionar
Fiquei confuso, preciso de um segundo para respirar
Só continue se aproximando
O que você quer de mim?
(o que você quer de mim?)
O que você quer de mim?
O que você quer de mim?

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

no inicio




Se o incesto causa graves problemas genéticos, como explicar então a formação da humanidade?
A Palavra de Deus nos informa que Deus criou Adão e Eva, e a humanidade foi formada a partir desse casal. Não houve outro grupo pré-adâmico ou criado depois.

Contudo, aquele que estabeleceu as leis também fez algumas exceções. Por exemplo: Eva foi retirada da costela de Adão, isto é, foi feita do mesmo material genético, mas como outra pessoa com sexo e personalidade diferentes, com outra performance. Essa atitude divina foi uma exceção na criação. Não vemos Deus repetindo o mesmo ato para criar outras pessoas.

Também houve exceção em relação à primeira geração dos filhos de Adão. Os primeiros descendentes dele casavam entre si e constituíam família. A história se repete nos primeiros dias após o dilúvio. Os filhos de Noé casaram-se entre si. Para que isso fosse possível, deve ter havido uma permissão genética. Essa permissão, se é que podemos chamar assim, foi conduzida pelo próprio Criador. Mas depois disso, com o decorrer dos tempos, a idade das pessoas sofreu uma alteração. Ou seja, elas não passaram a viver mais longos anos.

Sobre a longevidade dos homens, podemos perceber as mudanças acontecerem nos registros de Gênesis. Devemos conhecer as fases da vida humana. Nos primeiros capítulos de Gênesis, o homem vivia novecentos anos. Imediatamente, após o dilúvio, houve uma queda abrupta para quinhentos anos (Gn 11.11). Depois, a idade recuou para duzentos anos (Gn 11.32). Até que o tempo de vida humana estabilizou-se entre setenta e oitenta anos (Sl 90.10).

Na fundação do mundo, o relacionamento próximo não era considerado incesto (incestus = "hão casto" ou "impuro"). Tendo em vista as circunstâncias, não havia malícia naquele procedimento, era algo natural. Havia uma ética, cada filho com sua esposa. Não existia a libertinagem e os relacionamentos não eram mutantes. Somente depois, bem depois, da primeira geração, a humanidade se corrompeu em imoralidade, e os homens tomavam quantas mulheres queriam e desejavam (Gn 6.2-3). A maldade começou a brotar em seus corações. Então veio a punição, o dilúvio.

Uma vez formada a humanidade, Deus proibiu o casamento entre pessoas aparentadas, conforme vemos no capítulo 18 de Levítico. E as penas para esse tipo de coisa eram severas. E continuam sendo para os cristãos e para as culturas influenciadas pelas Escrituras. Por que? Porque o incesto é um procedimento aviltador e cheio de malícia. Degrada a moral e acarreta conseqüências genéticas.

A moralidade e a ética devem estabelecer a ordem matrimonial (Hb 13.4). Os cristãos devem ser exemplos dessa moralidade. Deus julgará os de fora (1Co 5.13).

medo



reconher o medo


A sensação do medo é muito mais que uma emoção poderosa, pois é capaz de gerar inúmeras outras altamente danosas ao sistema físico/emocional de qualquer criatura.
O medo é uma vibração sensitiva permanente, originada de uma lógica racional absolutamente natural, que a criatura humana ao longo de sua história vem distorcendo e adaptando-a à sua vivência social.
Por ser de origem natural, dificilmente é compreendida em sua essência e no controle que exerce sobre a criatura, tirando dela justo a naturalidade de suas reações frente ao espetáculo de si mesma, impedindo-a de enxergar-se de forma autêntica e levando-a a não proteger-se contra as não afinidades, mas tão somente colocando-a na defensiva sem que haja uma lógica que justifique todos os seus anseios, induzindo a criatura a desenvolver sentimentos absolutamente desnecessários, por serem exacerbados em suas expressabilidades, até mesmo quando os propósitos são para ela aparentemente justificáveis de serem experimentados e, portanto, vivenciados.
Através da emoção do medo, geramos a raiva, substituto do reconhecimento do inadequado frente a uma invasão, ou possível invasão, seja lá do que for.
A sensação de indignação faz a criatura alterar o seu sistema circulatório, da mesma forma que concomitantemente provoca uma tensão repentina no todo muscular, que pressiona contraindo o coração, o estômago e o fígado, provocando de imediato um sabor amargo no paladar, assim como uma taquicardia e uma sensação de buraco no estômago e inúmeras outras sensações danosas, que por sua vez são como descargas elétricas acompanhadas quase sempre de curtos-circuitos ao sistema global da criatura.
No decorrer de apenas um dia sistêmico é possível observar-se as inúmeras alterações que a criatura se permite, levando-a inevitavelmente a desenvolver uma pseuda-imunidade, escudada na desconsideração do fato concreto de que está se destruindo.
É preciso, portanto, que a criatura busque o entendimento de si mesma para, então, buscar qualquer outra proteção quanto as invasões externas, usando como meio eficaz exatamente suas experiências já vivenciadas, fazendo delas exemplos a serem desatados ou acolhidos em seus instantes presentes.
Este entendimento só acontecerá se houver um despertar amoroso em relação a si mesma, acompanhado de uma profunda boa vontade e paciência. E esta postura, que deverá ser constante, só ocorrerá se a criatura buscar reconhecer suas afinidades, descartando qualquer indício de invasão não afim. Basta que ela fique atenta a seus sentidos, não os desconsiderando. Portanto, a lógica consiste em:
“Se não me agradou, não tem porque ser invasivo.”


Relacionamentos implicam em perigo?
Através das cartas que recebo periodicamente dos leitores deste site, pude observar que o medo do envolvimento amoroso é um sentimento bastante presente e perturbador para um grande número de pessoas. Resolvi então abordar esse assunto porque julgo muito danoso o domínio do medo sobre nossos desejos.
O medo tem função e é graças a essa emoção que nos protegemos e nos salvaguardamos de muitos perigos. Funciona como um sensor de riscos e perigos possíveis e prováveis. É de fundamental importância na preservação de nossa espécie e responde em muito pela sobrevivência da raça humana. Portanto não se constitui em algo a ser desprezado ou visto exclusivamente como negativo e motivo de sofrimento.
O problema começa quando o medo assume um papel dominante na vida das pessoas, provocando grande tensão e sofrimento frente a situações normais da vida. Viver implica em risco. O tempo todo. Todo tipo de risco. Aqui estamos tratando do medo do envolvimento amoroso.
Quando estamos iniciando um relacionamento ou a busca de alguém com quem viver um, vivemos incertezas e inseguranças inerentes ao contato com situações novas. O novo assusta, principalmente porque não nos permite ter um padrão de previsibilidade. Medo de sofrer, de não ter seu amor correspondido, de ser rejeitado, enganado, abandonado e/ou traído é comum a todos que estão vivendo essa situação. Essa possibilidade deve atuar sob a forma de prudência e jamais de evitação.
Infelizmente muitas pessoas ficam completamente contaminadas por esses temores e isso as impede de viver situações tão almejadas e sonhadas. Arriscar requer ousadia e sempre vale a pena pagar para ver. Caso contrário, a busca por alguém vai se tornar eterna porque, sem perceber, o medo acaba por contaminar todas as emoções. Muitos dos desentendimentos e cobranças entre os casais se devem a uma tentativa absurda de controle e comando sobre a vida do outro. Muitos ciúmes, brigas, ofensas, boicotes e manipulações seriam evitados se o medo se recolhesse a seu lugar. Importante, porém pequeno.
A coragem é o grande antídoto do medo. Precisa ser nutrida sempre com bom senso, raciocínio e argumentos.
Afinal qual é a graça de ir ao parque de diversões e ter medo de andar nos brinquedos?
Pense nisso e procure se abrir para a realização de seus desejos e sonhos. Sem medo.